Google usa camelos para captar imagens de deserto no Oriente Médio

Google usa camelos para captar imagens de deserto no Oriente Médio

29
Google usa camelos para captar imagens em deserto nos Emirados Árabes Unidos para o Street View. (Foto: Divulgação/Google)

Não é mais novidade ver carros do Google circulando pela cidade captando imagens que integrarão o Street View, parte do Maps que exibe fotos de vias e lugares. A companhia está recorrendo agora a camelos para levar as lentes de seu serviço a lugares mais inóspitos, como desertos.

Foram esses animais que o Google recrutou para incluir em seu serviço de imagens o Deserto de Liwa ou Oasis de Liwa, em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos (Veja vídeo ao lado).
O sem-fim de dunas e areia, cortados por plantas resistentes ao clima árido, fica a 100 km ao sul do Golfo Pérsico e a 150 km a sudeste da cidade de Abu Dhabi. Dada a dificuldade de acesso ao local, a gigante de internet recorreu aos camelos. “Imagine se sentar sobre um camelo e ver toda a vasta expansão das dunas de um deserto”, descreveu Najeeb Jarrar, diretor de produto do Google para Oriente Médio e Norte da África, em post no blog corporativo da empresa, publicado nesta terça-feira (7).

“Para levar esse deslumbrante deserto ao Street View, nós adaptamos o Trekker [equipamento para captar imagens e transmiti-las em tempo real] para repousar em um camelo, que acumulava imagens conforme andava. Usar camelos para essa coleção nos permitiu coletar imagens autênticas e minimizar as interrupção desse ambiente frágil”, afirmou Jarred.

Para incluir outros lugares no Street View, o Google já havia utilizado não só aos carros mas também a barcos, mergulhadores e pessoas dispostas a carregar uma mochila conectada para subir muitos lances de escada. “Na sua viagem virtual pelo deserto, você irá encontrar dunas de areia que podem ter à incrível altura de 25 metros a 40 metros”, comenta Jarrar. O deserto abriga o Oásis de Liwa, maior da península arábica.

“Para levar esse deslumbrante deserto ao Street View, nós adaptamos o Trekker [equipamento para captar imagens e transmiti-las em tempo real] para repousar em um camelo, que acumulava imagens conforme andava. Usar camelos para essa coleção nos permitiu coletar imagens autênticas e minimizar as interrupção desse ambiente frágil”, afirmou Jarred.

 

Fonte: Do G1, em São Paulo

Sem comentários

Deixe uma resposta