domingo, 17 junho, 2018
Mundo
Featured posts

17
Imagem: © DR

O príncipe Manvendra Singh Gohil,herdeiro do trono de um antigo principado no oeste da Índia, decidiu abrigar em seu palácio homossexuais e transexuais perseguidos por sua orientação sexual. As informações são da agência Reuters.

Manvendra, de 52 anos, é o provável herdeiro do trono do antigo principado de Rajpipla, atualmente localizado no Estado de Gujarat. Ele também é um único membro da realeza abertamente gay na Índia.

“As pessoas ainda enfrentam muita pressão de suas famílias quando se assumem, sendo forçados a se casar ou expulsas de casa. Normalmente não tem para onde ir, nem meios para se sustentar”, disse ele, em entrevista à agência Reuters. “Eu não vou ter filhos, então eu pensei, por que não usar esse espaço para um bom propósito?”.

O príncipe irá oferecer quartos, instalações médicas e cursos de inglês e habilidades profissionais para ajudar os abrigados a encontrarem emprego. O palácio onde ele mora tem 60 mil metros quadrados.

Na Índia, seção 377 do Código Penal proíbe atividade sexual que é “contra a ordem da natureza” , cláusula interpretada por muitos como uma proibição ao sexo entre homossexuais. Reprodução: Minuto da Notícia

19
© Reprodução / Wikimedia Commons

Uma exposição do Weltmuseum, em Viena, tem causado polêmica por expor cabeça cortada usada como troféu de guerra pelos Munduruku, etnia indígena do Norte do Brasil. De acordo com o jornal britânico “The Art Newspaper”, especialistas criticam a instituição por não informar sobre a procedência do corpo e das demais peças da mostra, datados do século XIX.

A curadora do museu, Claudia Augustat, afirma que a exposição segue as determinações do Conselho Internacional de Museus (Icom) para a exposição de restos humanos, mas não detalha como o artefato foi obtido. Em entrevista ao jornal O Globo, a museóloga e coordenadora de Patrimônio Cultural do Museu do Índio do Rio, Ione Couto, alerta que o exibição desse tipo de peça exige cuidados específicos.

“É fundamental contextualizar com precisão este tipo de item, evitando abordagens que retratem estas culturas pelo viés do exotismo. O próprio Quai Branly (o Museu das Artes e Civilizações da África, Ásia, Oceania e Américas, em Paris) mudou seu modelo de exibição. Também fizemos uma mudança no Museu do Índio a partir de 2001, deixamos de ter mostras genéricas para focar em determinados grupos de cada vez”, afirma Ione.

Reprodução

35
Imagem: Divulgação Internet

Astrônomos e sismólogos calcularam uma nova data para o fim do mundo: 19 de novembro deste ano. Desta vez, o culpado seria o planeta Nibiru, que causará uma série de terremotos. Especialistas preveem que o planeta causará caos na Terra ainda antes de colidir com o nosso planeta. Segundo publicado pelo “Planetxnews”, os tremores vão da França e da Itália até o Alasca e a Rússia, passando pelos Estados Unidos, Indonésia e Japão.

Segundo cientistas entrevistados pelo site, o Nibiru, também conhecido como Planeta X, tentou tornar-se numa estrela há milhões de anos, mas não foi bem sucedido. “Esta é a razão pela qual o Nibiru irradia pouca luz ou calor, o que nos impede de o detectar antecipadamente antes de atingir a Terra”, explicou Terral Croft, líder da equipe de cientistas.

Astrônomos e sismólogos chegaram a essa data ao analisarem o número crescente de terremotos e vulcões. Eles afirmam que os acontecimentos estão relacionados com a rota que o Nibiru está seguindo.

De acordo com as previsões, um terremoto de magnitude 7,0 acontecerá entre a 39ª e a 41ª semanas de 2017, que coincidirá com o suposto “alinhamento da Terra com o Nibiru”.

Reprodução/Noticias ao Minuto

30
© KCNA/via REUTERS

Uma agência estatal afirmou que a Coreia do Norte ameaçou nesta quinta-feira (14) usar armas nucleares para “afundar” o Japão e reduzir os Estados Unidos a “cinzas e escuridão” por apoiar uma resolução e sanções do Conselho de Segurança da das Nações Unidas (ONU). As resoluções vieram após o mais recente teste nuclear do regime norte-coreano, segundo a Reuters.

De acordo com o portal G1, o Comitê da Coreia para a Paz na Ásia-Pacífico, que lida com os laços externos e propaganda da Coreia do Norte, também pediu pela dissolução do Conselho de Segurança, que chamou de uma “ferramenta do mal” constituída por países “subornados” que avançam sob ordem dos Estados Unidos.

“As quatro ilhas do arquipélago devem ser afundadas no mar por uma bomba nuclear do Juche. O Japão não é mais necessário para existir perto de nós”, disse o comitê, em comunicado divulgado pela agência de notícias estatal norte-coreana.

O Juche é a ideologia governista da Coreia do Norte que mistura marxismo com uma forma de nacionalismo isolado pregado pelo fundador do Estado, Kim Il Sung, avô do atual líder norte-coreano, Kim Jong Un, ainda de acordo com a Reuters.

Reprodução

74

Morreu nesta quinta o dissidente chinês e Prêmio Nobel da Paz Liu Xiaobo. Ele tinha 61 anos de idade e havia sido liberado da prisão para tratar um câncer no fígado. A Alemanha chegou a oferecer tratamento ao prêmio Nobel, mas a China recusou sua transferência:

“Liu e sua esposa expressaram claramente o desejo de deixar a China. A Alemanha está pronta para acolher e fornecer a ele o tratamento médico”, declarou o porta-voz do governo alemão, Steffen Seibert.

O porta-voz do ministério chinês das Relações Exteriores, Geng Shuang, chegou a dizer nessa quarta-feira que os outros países deveriam respeitar a soberania judicial chinesa e “não interferir nos assuntos internos da China sob pretexto de um caso individual”.

Liu Xiaobo, professor e intelectual, cumpria pena de 11 anos de prisão por “subversão” desde 2009, após ter participado da assinatura de um texto que defendia a democracia na China.

 

79

O presidente do Conselho de Ética, senador João Alberto (PMDB-MA), já havia decidido pelo arquivamento do processo no dia 23 de junho. Parlamentares da oposição liderados pela Rede entraram com recurso contra a decisão e reiteraram o pedido para verificação de quebra de decoro parlamentar. No entanto, os oposicionistas não conseguiram garantir a maioria dos votos para prosseguir com a representação.

Para o líder da Rede, senador Randolfe Rodrigues (AP), o resultado contraria as decisões tomadas nos últimos anos pelo conselho, que já decidiu pela cassação do ex-senador Delcídio do Amaral, em 2016. “Eu acho que hoje o instituto da ética e do decoro parlamentar presente no regimento do Senado pode ser sepultado. Aliás, a partir de hoje, não faz mais sentido ter Conselho de Ética. A decisão é completamente contraditória em relação a decisões anteriores do próprio conselho. Se há ou não havia razão para processar o senador Aécio, porque nós processamos e cassamos o mandato do senador Delcídio, já que os fatos aqui elencados são mais graves?”, questionou Randolfe.

O senador João Alberto negou que tenha sofrido pressão para interromper a tramitação do processo. “A maioria achou que realmente o presidente do Conselho de Ética tinha toda razão quando determinou o arquivamento do processo contra o senador Aécio Neves por falta de provas nos autos. Eu não tenho idade mais para receber pressão, nós agimos aqui como juízes, nós somos juízes, temos que agir de acordo com o que dizem os autos. E o que eu li e ouvi, me conscientiza que não existe absolutamente nada para condenar o senador Aécio Neves.” declarou.

O senador Aécio Neves retomou seu mandato na terça-feira (4), depois de passar 45 dias afastado do Senado por decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin. O afastamento foi motivado pelas denúncias de envolvimento do senador com o empresário Joesley Batista, investigado pela Operação Lava Jato. Na última sexta-feira (30), o ministro Marco Aurélio Mello, do STF, determinou o fim da suspensão e a restituição do mandato ao senador.

Fonte: Agência Brasil

149

Resultado de imagem para michel temer(Reuters) – O presidente Michel Temer indicou nesta quarta-feira a subprocuradora-geral da República Raquel Dodge para substituir Rodrigo Janot na Procuradoria-Geral da República, informou o porta-voz da Presidência, Alexandre Parola. “A doutora Raquel Dodge é a primeira mulher a ser nomeada para a Procuradoria-Geral da República”, disse Paraola, ao anunciar a indicação.

Raquel Dodge foi a segunda mais votada em votação na terça-feira na lista tríplice preparada pela Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR). Ela teve 587 votos. O mais votado foi Nicolao Dino, atual vice-procurador-geral Eleitoral e próximo a Janot, com 621 votos. O terceiro da lista foi o subprocurador Mário Bonsaglia, com 564 votos.

Temer rompe com uma tradição de indicar sempre o primeiro da lista tríplice que vinha sendo adotada desde 2003 pelos presidentes. A indicação de Raquel, que vai substituir Janot, que encerra o mandato em 17 de setembro, terá de ser submetida ao Senado. Os senadores vão precisar sabatinar e aprovar o nome dela em votação secreta no plenário.

O presidente da ANPR, José Robalinho Cavalcanti, entregou a lista tríplice pessoalmente a Temer nesta tarde. A escolha do substituto de Janot dois dias após o presidente ter sido denunciado pelo atual procurador-geral da República tem por objetivo, segundo interlocutores do governo, tentar esvaziar a atuação do chefe do Ministério Público Federal.

Raquel Dodge ingressou no MPF em 1987. Ela atuou na operação Caixa de Pandora, investigação que levou a prisão o então governador de Brasília, José Roberto Arruda, o primeiro chefe de Executivo local preso no exercício do cargo.

Ela também atuou na equipe que processou criminalmente o ex-deputado Hildebrando Paschoal. Ela é mestre em Direito pela Universidade de Harvard.

Raquel defendeu publicamente ser a favor da continuidade das apurações da operação Lava Jato e contava, nos bastidores, com o apoio de integrantes da cúpula do PMDB, muitos deles investigados pela própria ação.

58

Testemunhas do atropelamento cometido ontem (18) em Londres, perto de uma mesquita, descreveram que o suposto autor gritou que iria “matar todos os muçulmanos”. Ele acabou rendido por pessoas que estavam próximas ao templo. O suposto terrorista, um homem de 48 anos que está sendo interrogado pela Polícia Metropolitana (Met), atropelou fiéis que saíam da mesquita ode rezaram. As informações são da agência de notícias EFE.

No incidente, dez vítimas ficaram feridas e um homem morreu. A Scotland Yard deve ainda estabelecer se essa morte está diretamente vinculada ao atentado, pois aparentemente essa pessoa já recebia auxílio quando o veículo começou a atropelar os pedestres. Segundo declaração de um homem, o suspeito começou a gritar “vou matar todos os muçulmanos” antes de ser imobilizado.

Essa testemunha, Abdulrahman Saleh Alamoudi, indicou que estava junto com um grupo de fiéis que acabava de terminar de rezar e que, nesse momento, ajudava um idoso que “tinha caído”, talvez por causa do calor, quando a caminhonete do agressor se dirigiu a eles.

Dez pessoas sofreram ferimentos

“Esta caminhonete veio para cima da gente. Acredito que pelo menos dez pessoas ficaram feridas e, por sorte, eu consegui escapar”, afirmou. “Então, o homem saiu da caminhonete e o agarrei. Estava gritando: Vou matar todos os muçulmanos, vou matar todos os muçulmanos. Ao mesmo tempo, ele ia dando murros”, relatou. Quando conseguiram imobilizá-lo, segundo a versão, o homem pediu que o “matassem”.

Outra testemunha, Abdikadar Warfa, contou como ele ajudou a deter o suspeito enquanto seus amigos socorriam novas vítimas que ficaram feridas. “Vi um homem sob a caminhonete. Ele estava sangrando e meu amigo me disse que era preciso levantar o veículo. Eu estava ocupado com o homem que tinha tentado escapar”, disse.

Por sua vez, Salah Alamoudi apontou que as pessoas que contribuíram para deter o agressor esperaram “meia hora” até a chegada dos agentes e que o terrorista “era um tipo forte, um homem grande”.

Um morador do bairro de Finsbury Park, Abdul Abdullahi, que passou pela mesquita, relatou “uma sensação de confusão” e disse que viu “gente jogada no chão” enquanto o agressor “parecia indiferente”.

268
Resultado de imagem para Dom Antônio Ribeiro
Foto: Arquivo

O governador Marconi e primeira-dama Valéria Perillo estiveram no final da manhã desta quarta-feira, dia 8, no túmulo do ex-arcebispo Emérito da Arquidiocese de Goiânia Dom Antônio Ribeiro, na Catedral Metropolitana, em Goiânia. Eles eram amigos próximos do líder religioso há mais de 20 anos e estavam na missão comercial do Governo de Goiás ao Oriente Médio quando da morte dele, no último dia 28. O governador e a primeira-dama levaram flores e fizeram orações em memória de Dom Antônio.

Marconi e Valéria estiveram no túmulo de Dom Antônio acompanhados pelo presidente da Assembleia Legislativa, José Vitti, e do secretário de Governo  Tayrone di Martino. Eles foram recebidos pelo arcebispo Metropolitano de Goiânia, Dom Washington Cruz e pelos monsenhores Nelson e Daniel e Dom Levi Bonatto.  “Valéria e eu ficamos profundamente consternados com o passamento de Dom Antônio, nosso amigo querido, nosso conselheiro e guia espiritual”, disse o governador.

“Em todos os momentos delicados que atravessamos, sempre esteve do nosso lado, nos ouvindo e orientando. Seremos eternamente gratos a ele, assim como toda a população de Goiás. O legado do bem e das boas obras deixado por ele é eterno, será para sempre lembrado”, disse Marconi.

Mais uma vez, o governador afirmou que Dom Antônio é um pastor insubstituível para a Igreja Católica e para o mundo cristão. “Dom Antônio fez de sua vida uma profissão de fé, uma vida inteiramente dedicada aos brasileiros mais pobres, aos injustiçados e aos oprimidos”, disse Marconi. “Dom Antônio vai deixar registrado um dos maiores exemplos de dedicação, abnegação e trabalho em prol dos cidadãos que mais precisam”, afirmou o governador.

José Vitti, que acompanhou o governador na missão comercial, afirmou que “Goiás perdeu um de seus maiores líderes espirituais, um sacerdote inteiramente dedicado à vida dos cidadãos mais pobres e dos excluídos”. O presidente da Assembleia Legislativa afirmou ainda que Dom Antônio “vai inspirar as próximas gerações de sacerdotes da Igreja Católica, bem com a fé cristã de Goiás e do Brasil”.

98

Resultado de imagem para papa e celular(Reuters) – O papa Francisco pediu neste domingo que as pessoas carreguem e leiam a Bíblia com tanta dedicação quanto o fazem com seus celulares. Falando a peregrinos na Praça São Pedro, sob forte chuva, o papa, de 80 anos, perguntou: “o que aconteceria se tratássemos a Bíblia como fazemos com nossos celulares?” Ele continuou: “se nós voltássemos para recuperá-la quando a esquecêssemos? Se a carregássemos conosco sempre, mesmo em uma pequena versão de bolso? Se lêssemos as mensagens de Deus na Bíblia como lemos mensagens em nossos celulares?”

Francisco considerou a comparação “paradoxal” e disse que deveria ser uma fonte de reflexão, acrescentando que a leitura da Bíblia ajudaria as pessoas a resistirem às tentações diárias.